Ir para conteúdo

QMTP 2020 – Madeiras, usar ou não usar? Eis a questão!

❤ Por Marias Bonitas

QMTP2020_Titulo3_Post_Blog.png

Dando seguimento à série de postagens “motivacionais”..hehe..vamos falar sobre madeira. Suas origens, técnicas, compostos aromáticos, utilização, estilos de cervejas que podem ser adicionadas. Partiu?! 😉

História da Madeira


Cerveja e madeira é uma combinação de milhares de anos. Os indícios de sua utilização são registrados desde o século III A.C. por povos celtas que substituíam recipientes rudimentares feitos de barro e cerâmica para o armazenamento de compostos fermentados.

barrilNos tempos antigos, líquidos eram fermentados, armazenados e transportados em vasos de barro, conhecidos como ânforas, como ocorreu com as cervejas originais da Mesopotâmia e do Egito. Pelos primeiros séculos dC, a madeira tinha substituído barro ou terracota como o material preferido para a fabricação de recipientes para o armazenamento e transporte de líquidos, provavelmente por causa da durabilidade e fácil acesso a matérias-primas. Ou seja, por mais de dois mil anos, cervejas vem sendo armazenadas e transportadas em barris, muito antes mesmo de entendermos quantas peculiaridades aromáticas poderíamos captar desse simples fato. Tanto é que, na maior parte desse tempo, a madeira era revestida com betume – um isolante que impedia o contato do líquido diretamente com a madeira do barril.

As primeiras técnicas registradas de contato da cerveja com a madeira para tais finalidades datam por volta do século XIII na Europa. A partir daí, começa-se a perceber diferenças no sabor e no aroma. Os barris eram feitos por artesãos – os tanoeiros – profissão que entrou em declínio a partir de 1970. Avanços tecnológicos permitiram, somente na década de 60, que os barris de madeira fossem substituídos por alumínio, mais leves e de fácil higienização.

A cerveja que passa por barris de madeira deve apresentar como característica predominante os aromas e sabores do estilo base, com notas da própria madeira ou, se o barril foi utilizado anteriormente por alguma bebida alcoólica, notas desta bebida; mas sempre sem predominar. A cerveja pode ser envasada diretamente do barril para a garrafa, com refermentação ou não, ou ainda misturando-a com cerveja jovem para amenizar os efeitos da madeira. O período de maturação varia de 3 meses a 5 anos. A madeira também transmite à cerveja uma série de novos compostos aromáticos, dentre os quais se destacam aromas de baunilha, notas de especiarias e toques de defumação e torrefação originados da tosta da madeira. Cada tonel traz consigo uma característica, seja da espécie da madeira, seja da tosta dela, oferecendo sabores e aromas.

Atualidades


Foram provavelmente os cervejeiros norte-americanos, a partir dos anos 1990, que colocaram em primeiro plano esses aromas “amadeirados”, buscando enfatizá-los em suas primeiras Barrel-Aged Beers e deram-lhes até mais importância do que a acidez e a micro-oxigenação. A partir do advento das Wood and Barrel-Aged beers por meio das microcervejarias americanas, ficou mais fácil compreender que a cerveja maturada assim resultava em um produto extremamente aromático e não com o perfil envelhecido ou selvagem.

2YQ6EXU7XMI6PHENZ4CT74YJEEAssim, diminui-se o tempo da cerveja nesses barris, já que para captar os compostos que dariam sabor à cerveja é um processo que ocorre rapidamente. Ficando conhecidas como cervejas “abaunilhadas”, novos estilos ganham força, como a Russian Imperial Stout, que combina baunilha, café e chocolate.

Principais tipos de Madeira utilizadas


Carvalho

Possui aromas que lembram ameixa, cassis, baunilha e caramelo.

  • Carvalho Francês
    Na França o carvalho só é considerado apto para a Tanoaria após completar 150 anos e isso está relacionado diretamente com a “fama” do carvalho francês. As características adquiridas pela madeira influenciam diretamente em seu perfil aromático e sua estrutura granular. Seus principais exemplares são Quercus Robur e Quercus Sessilis. Os principais aromas são de especiarias, canela, caramelo e chocolate ao leite.
  • Carvalho Americano
    O Quercus Alba destaca-se por notas de coco, baunilha, manteiga e outros aromas adocicados. Quando submetido a notas mais intensas de tosta, apresenta aromas de caramelo, açúcar mascavo e xarope de bordo.
  • Carvalho Húngaro
    O carvalho húngaro é considerado apto para utilização em barris quando completa entre 80 e 100 anos. Cada árvore rende apenas entre uma e duas barricas de 225 litros. Na tosta suave apresenta aromas de frutas brancas, abacaxi e banana. Em tosta média realça aromas de baunilha e na tosta intensa evidencia avelãs e caramelo.

Amburana

Possui aromas mais intensos de baunilha, que contribuem para um sabor levemente adocicado. A Amburana cearensis, também conhecida como Cerejeira, é natural do Nordeste, Centro-Oeste e Sudeste do Brasil. De cor intensa e uma gama aromática também muito intensa e característica, destacam-se as notas de baunilha que contribuem para um sabor levemente adocicado.

Bálsamo

Barris de Bálsamo são comumente utilizados para envelhecimento e maturação de bebidas destiladas como cachaça, rum, xerez, uísque e também com vinhos. Não foram encontrados muitos relatos sobre o uso desse tipo de madeira na produção de cervejas e seus resultados, mas sabe-se que para as citadas bebidas essa madeira agrega aromas moderadamente amendoados e com notas de canela e cravo.

Castanheira

Considerada a madeira brasileira com propriedades mais próximas ao carvalho europeu, confere suavidade, um leve toque adocicado e cor amarelada à cachaça. Também é capaz de fornecer notas de baunilha e amadeirado. Para o uso com cerveja, especialistas recomendam apenas na fase de maturação e com atenção ao tempo de contato, uma vez que há grandes chances de o sabor ficar muito intenso e aí ser necessário blendar com outra cerveja que não teve contato com a madeira.

Métodos de envelhecimento


Para fazer o envelhecimento basta transferir a cerveja pós-fermentada para um barril de madeira. É possível fazer um envelhecimento sem o barril, utilizando lascas de madeira; só é preciso fazer com que as lascas torradas fiquem totalmente em contato com a cerveja, e não boiando na superfície.

dadinho-madeira-amburana-tosta-media-mapadacachaca• Barrel aged: o envelhecimento da cerveja acontece por meio do uso de barris;
• Wood aged: são usadas lascas de madeira ao invés de barril.
A categoria de cervejas definida como Wood Beer pelo BJCP (2015) é destinada às cervejas que passam por envelhecimento em contato com madeira. Essa categoria tem dois estilos de cervejas:
• Wood-Aged Beer
• Specialty Wood-Aged Beer
A diferença entre as duas é simples, o barril em que as Specialty passam por envelhecimento foi utilizado antes para maturar outra bebida como, por exemplo, uísque. Então, as Specialty vão ter não só as características da madeira como também da bebida que estava no barril antes. Já as Wood-Aged Beer só têm características agregadas da madeira.
O tempo de maturação/envelhecimento varia de 3 meses a 5 anos. É comum realizar o blend (mistura) de uma cerveja envelhecida com uma cerveja fresca, para equilibrar os sabores e aromas acentuados da cerveja envelhecida. É aconselhável provar a cerveja envelhecida ao longo do tempo para se saber o ponto de envelhecimento desejado.

Superfície de Contato

A superfície de contato tem um papel importante para que o equilíbrio de aromas da cerveja seja obtido em um maior ou menor período de tempo. Quanto maior a superfície de contato entre a cerveja e a madeira mais rápido ela desenvolve novos perfis aromáticos. Mas é preciso ter cuidado, pois nem sempre um processo rápido é sinônimo de qualidade e o acompanhamento da evolução sensorial deve ser feito com frequência para que não sejam agregados aromas indesejáveis.

Tempo de contato

Nas Sours

Este estilo de cerveja descansa em barris (ambientes propícios para o crescimento de Bretts e colonização das bactérias) por até mais de um ano, desenvolvendo assim seu caráter oxidado. Tanto que uma Sour de apenas um ano é considerada jovem por ainda não ter obtido tanta complexidade como poderia a partir do ambiente do barril, ambiente propício para o crescimento de brettanomyces e colonização de outras bactérias. É durante este período em que a cerveja “descansa” que o mestre cervejeiro deve provar para acertar a receita ao resultado desejado, ao realizar adição de frutas, reforçar as bactérias ou mesmo escolher barris onde foram maturadas anteriormente outros tipos de bebidas.

Nas Wood and Barrel Aged

Independente de seu estilo base, as Wood and Barrel Aged são envelhecidas em contato com a madeira (barril ou chips) que pode ou não conter aromas daquilo que havia antes no barril. O tempo faz com que os aromas da madeira e da bebida se entrelacem acrescentando novas características aromáticas a cerveja.

Cuidados com o envelhecimento


grafico-envelhecimentoAntes de mais nada, temos que entender que a palavra envelhecimento se refere às mudanças de sabor e aroma da cerveja com o passar do tempo.
Toda cerveja depois de envasada sofre mudanças ao longo do tempo, até mesmo dentro da própria garrafa, devido a diversas reações químicas que acontecem de maneira espontânea como, por exemplo, a oxidação. Essas mudanças podem melhorar ou piorar a cerveja já que ela está sempre em constante mudança e é quase como se a cerveja estivesse viva.

Estilos que geralmente são maturados/fermentados em barris de madeira


Barris de madeira tem como uma de suas características levar aromas e sabores para a bebida nele contida. No caso da cerveja não é diferente. Por esse motivo, a cerveja que será colocada em um desses barris deve ter uma “personalidade” muito forte, ou seja, deve ter um certo nível de complexidade e um teor alcoólico elevado, em maioria as ales.

Lambic

Tem sua fermentação em barris de madeira, que levam características no paladar e uma leve coloração as cervejas.
Características: Cor de amarelo palha a dourada, Turvas, Não são carbonatadas e nem apresentam espuma, Aromas terrosos, animalescos, caprílicos são aceitos, Notas frutadas e amadeiradas.
Exemplares: Cantillon Gran Cru, Timmermans, Boon, Lindemans.

Geuze

São blends de Lambics com diferentes idades. Passam por uma re-fermantação na garrafa, o que garante sua carbonatação. As garrafas com a descrição de Oude são tidas como as tradicionais. Tem como características da madeira notas amadeiradas e de baunilha.
Características: Coloração dourada, Cervejas límpidas, sem sedimentos, Muito carbonatadas, Aromas: terrosos, animalescos, caprílicos, Notas de frutas: cítricas, brancas e amarelas, Acidez moderada
Exemplares: Drie Fonteinen, Mariage Parfait, Cantillon Geuze.

Fruit Lambic

São cervejas lambics com adição de frutas para contribuir com sabor, cor, aroma e açucares para a fermentação. Cereja é a fruta mais comum, mas outras frutas também são adicionadas, como framboesa, cassis, maçã, pêssego, e outras.
Características: Aromas e sabores das frutas inseridas, Levemente adocicadas e secas, Presença de brettanomyces, dando características fenólicas e animalescas, Baunilha proveniente da madeira.
Exemplares: Cantillon Lou Pepe Framboise, Boon Kriek, Lindemans Framboise.

Flanders Red Ale

Tem a primeira fermentação com cepa pura de Saccaharomyces ou uma combinação de leveduras e bactérias. A segunda fermentação ocorre em barris de carvalho quando as leveduras e bactérias acidificam a cerveja.
Características: Coloração avermelhada podendo ser bem intensa, Boa carbonatação e formação de espuma, Aromas frutados como ameixas, cassis, laranja, Acidez suave, Condimentos, baunilha e madeira.
Exemplares: Duchesse de Bourgogne, Liefmans Goudenband, Rodenbach Klassiek.

American Brett Ale

Barris de madeira podem ser usados na maturação e fermentação, mas essas cervejas não podem conter notas de madeira e baunilha (proveniente da madeira).
Características: Coloração de clara a preta, ou cor da fruta inserida, Deve haver características de Brett, Não deve ter aromas de bebidas contidas no barris, Notas de ésteres frutais, lúpulos e acidez deves ser equilibradas.
Exemplares: Wild Horse Porter

American Sour Ale

Barris de madeira podem ser usados na maturação e fermentação, mas essas cervejas não podem conter notas de madeira e baunilha (proveniente da madeira).
Características: Coloração de clara a preta, ou da fruta inserida, Complexidade equilibrada de acidez, Notas de ésteres frutais, lúpulos, acidez devem ser equilibrados, Não deve haver características de brett, a acidez dessa cervejas é formada pelos ácidos orgânicos que se desenvolveram na maturação e fermentação.
Exemplares:
Way Sour Me Not Acerola, Graviola e Morango; The Bruery Sour in The Rye.

Wood and barrel aged Sour beer

Qualquer lager, ale ou híbrida, envelhecida ou em contato com madeira que desenvolveu uma acidez natural de origem bacteriana. Deve conter uma mistura de baunilha e outras características da madeira. Pode ter características da bebida que estava no barril anteriormente. Suas fermentação contribui com ésteres complexos, podendo ou não conter características de brett.
Exemplares: The Bruery Smoking Wood Bourbon Barrel Aged; Sierra Nevada Trip in the wood; Brooklyn Black Ops; Harviestoun Ola Dubh Special 18 Reserve.

Old Ale

Muito parecidas antigamente com as Barley Wine, eles tem o nome de “old” exatamente por serem velhas e passarem meses ou anos em barris de madeira. Hoje em dia a madeira é mais rara nesse estilo, mas ainda existem. Notas mais aveludadas, de oxidação e leve acidez são providas da madeira. Não deve conter notas da bebida que estava antes no barril. Presença adocicada do malte, e leve amargor no sabor.
Exemplares: Fuller’s Vintage Ale; Adam da Hair of The Dog

Barley Wine

Essas cervejas eram produzidas para substituir o vinho, quando houve uma ruptura em sua importação para a Grã-Bretanha. Por isso tinham alto teor alcoólico e eram envelhecidas em madeira.
Características: Coloração de âmbar claro a intenso, Corpo intenso e elevado, Ésteres frutais elevados e equilibrados com amargor e teor alcoólico, Notas de caramelo, toffee, oxidação e outras notas de vinho sempre são positivas.
Exemplares:
Rogue Old Crustacean, Firestone Sucaba, Brooklyn Monster Ale.

E aí? Gostaram?!
Se você tiver uma cerveja que se encaixa nessas características, acessa o Formulário de troca de cerveja por ingresso para o QMTP2020 – Tem Cerveja na Floresta?
Envio Barril(is): https://forms.gle/EFTnPpfZMhcdTE1z8
Envio Garrafas: https://forms.gle/QjdyBSSWdv6CtoFc9
Clica aqui pra acessar o regulamento. 😉

Quem arrisca qual tema do próximo post? hehehe

Xeros amadeirados! ❤

Referências:
*https://brejada.com/brejapedia/estudos/estudo-madeira-cerveja
*https://www.hominilupulo.com.br/cervejas-caseiras/como-fazer/envelhecimento-de-cerveja/

lucycavalcante Ver tudo

Analista de Sistemas, Diretora da Confraria Maria Bonita, Diretora da AcervA/PE (Associação de Cervejeiros Artesanais de Pernambuco), entusiasta das cervejas artesanais e das artes.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: