Ir para conteúdo

Bière de Garde: do agro ao pop

❤ Por Patrícia Sanches

Ao lembrar desse estilo, facilmente vem à mente uma linda garrafa e um sorriso de boa lembrança. Nada mais representa essa cerveja que seu próprio Terroir.

O termo Terroir refere-se a algo característico do local que influencia em um determinado aspecto do produto. No universo do vinho esse termo é mais utilizado que no da cerveja. Talvez por acreditarem que a cerveja merece menos pomposidade e elegância em suas descrições. Mas o fato é que algumas cervejas tem em seu DNA a necessidade de alguma matéria-prima da sua região, podendo ser a água, o malte, o lúpulo (influenciado pelo clima, solo, altitude, etc), a levedura ou uma fruta/especiaria/mineral”.

Quando olhamos os guias de estilo, nos deparamos com dois grandes estilos oriundos de regiões agrícolas, também chamados de FARMHOUSE ALE: a saison (lado blega) e a bière de garde (lado franco-belga). Não se sabe o porquê dessa separação, mas independente de qualquer coisa, o que temos hoje são estilos completamente diferentes entre si, onde a cerveja dos belgas orientou o perfil da saison para cervejas leves, frescas, condimentadas; e os franceses orientaram o perfil para cervejas mais complexas e adocicadas; e tudo isso é diretamente influenciado pela levedura e o processo fermentativo.

“O nome, Bière de Garde, se traduz em “cerveja de guarda”, referindo-se à prática de os agricultores brassarem a cerveja durante uma temporada muito curta no final do outono/ início do inverno (aproveitando as temperaturas mais baixas) para então degustá-las primavera.

Imagem: Craft Beer & Brewery

Infelizmente, muito das tradições francesas de brassar a bière de garde foi perdida com o tempo e as culturas modernas e apressadas não tinham espaço para este estilo de cerveja tão rústico e demorado. A refrigeração não dava sentido para a poesia de fazer a cerveja baseada nas estações do ano. E então tudo isso tornou-se o antônimo da sofisticação.

Imagem: Biére de Garde Ambrée – Brasserie Duyck Jenlain

Mas como tudo que é cíclico, a bière de garde  deixou de ser “velha” para ser “antiga”, e o antigo tem seu valor. Foi então que a Brasserie Duyck fundada em 1922, torna a fazer o estilo em meados dos anos 50. Como toda boa cervejaria que tenta sobreviver, essa cervejaria atendia as tendências do mercado; mas, ao contrário de muitas outras cervejarias, continuou produzindo pequenas quantidades de Bière de Garde como um projeto paralelo; que só chamou a devida atenção, quando decidiram mudar a embalagem para garrafas de espumante, lacradas com rolhas e arames.

Imagem: Brasserie Duyck

Era a bière de garde voltando a ativa e alimentando os padrões de sofisticação; despertando uma nova cultura francesa de cervejas locais. Isso me lembra a propaganda da Rede Globo: Agro é tech, agro é pop; que basicamente  tem como objetivo conectar o consumidor com o produtor rural e ao mesmo tempo agregar valor à produção agrícola aos olhos da sociedade urbana moderna; exatamente o que a Brasserie Duyck fez.

Vamos brassar?

O BJCP (2015) define a B.G. como uma cerveja artesanal de guarda, bem maturada (armazenada em baixas temperaturas) bastante forte, acentuada em maltes, com uma variedade de sabores de maltes apropriados para a cor. Todas são maltadas, mas todavia, secas, com sabores limpos e um caráter suave.

Antes de pensar na receita, você precisa saber que existem 3 variações de cor:

  • marrom (brune)
  • a loira (blonde)
  • a âmbar (ambrée)

As versões mais escuras deverão ter mais caráter de malte, enquanto que as versões mais claras podem ter mais lúpulo (mas ainda são cervejas focadas no malte). Um estilo relacionado é Bière de Mars, que é produzida em março (Mars) para ser consumida fresca já que não envelhece bem.

Outras características:

  • Aroma: complexo caráter de malte, de intensidade leve a moderado com notas ricas de pão tostado. Ésteres baixos a moderados. Pouco ou nenhum aroma de lúpulo (pode ser um pouco condimentado, apimentado, ou herbal).
  • Aparência: A transparência é de brilhante a média, embora a turbidez não é inesperada neste tipo de cerveja, muitas vezes não filtrada. Espuma bem formada, geralmente branca a bege clarinho (varia de acordo com a cor da cerveja), de persistência média.
  • Sabor: Médio a alto sabor de malte, a maioria com um rico caráter tostado, de biscoito, como de toffee ou leve caramelo. Os sabores e a complexidade de malte tendem a aumentar com a cor da cerveja. Baixos a moderados sabores de ésteres e álcool. Um amargor de lúpulo médio-baixo proporciona algum suporte, mas o balanço é sempre inclinado para o malte. O sabor de malte dura até o final, que é semi-seco a seco, não enjoativo. Retrogosto de malte (de caracteres apropriado para a cor) com alguma secura e com um pouco de álcool.

Estatísticas Vitais: OG: 1.060 – 1.080 FG: 1.008 – 1.016 IBUs: 18 – 28 SRM: 6 – 19 ABV: 6.0 – 8.5%.

Exemplos comerciais: Ch’Ti (brune e blonde), Jenlain (ambrée e blonde), La Choulette (todas 3 versões), St. Amand (brune), Saint Sylvestre 3 Monts (blonde), Russian River Perdition

Um bom exemplo comercial nacional é a CERVEJA BIERBAUM BIÈRE DE GARDE, segundo a cervejaria, ela harmoniza super bem com suíno, avestruz, coelho ou Cordeiro assado, salsichas, massas ao molho, carbonara, paella, queijo gorgonzola, risoto de funghi.

Uma receita?

Como você pode observar, se compararmos o estilo com belga Saison, a principal diferença é que a Bière de Garde é melhor maturada, mais complexa, centrada no malte, e não tem o caráter condimentado da Saison.

Essa é uma excelente cerveja para começar a fazer agora e degustar no Que malte pergunte 2020, que tem o tema: “QUE MALTE PERGUNTE, TEM CERVEJA NA FLORESTA?”. Quer saber mais sobre essa festa que agita a comunidade cervejeira em Pernambuco? Clica aqui. Já tem data, hora e local para acontecer.

Beijos rústicos com sabor da fazenda!

Patt Sanches Ver tudo

Técnica Cervejeira , Beer Sommelière pela Doemens Akademie/Academia Barbantes, Diretora da ACERVA-PE, Membro da Associação de Cervejarias Artesanais de Pernambuco (APECERVA), Membro da Associação Brasileira de Cervejarias Artesanais de Pernambuco (ABRACERVA), Sócia e responsável técnica da Cervejaria Patt Lou, possui experiência na produção de cerveja artesanal, produz conteúdo para o Canal Casal Patt Lou no Youtube.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: