Ir para conteúdo

Mulheres no mercado da cerveja artesanal

❤ Por Flávia Marques

No dia 30 de Maio de 2018, aconteceu o evento “Casa Rio Mar”, no Shopping Rio Mar, e à convite das Arquitetas Rosi Garcia e Kathellen Carvalho, eu estive lá, representando a Confraria Maria Bonita Beer (MBB), para um bate-papo sobre a inserção das mulheres no mercado cervejeiro.

Foto: @arteearquitetura

O espaço estava decorado como uma área de recepção para receber os amigos contendo sofá, mesa de jogos, mesa de sinuca e um bar com uma geladeira repleta de cervejas artesanais. Nesse bar, nosso Rafa, um dos proprietários do Capitão Taberna, atendia ao público que ansiava em beber uma cerveja especial.

Como o desafio não se limitava a falar da confraria MBB, mas também da atuação da mulher no mercado cervejeiro, como profissional, confesso que fiquei angustiada, pois não atuo no mercado cervejeiro profissionalmente.

 

Foto: @riomarcasa_news

Sou cervejeira caseira há quase dois anos e amo esse movimento que inspira pessoas a criar receitas de cervejas que gostaríamos de beber no bar, mas que só existem em nosso imaginário. Então por que não fazê-las?

Para unir essas ideias e ainda falar da presença da mulher nesse contexto, refleti sobre minha convivência com mulheres fantásticas que atuam profissionalmente no mercado cervejeiro como Sommelier de cervejas e mestre cervejeira, dentre outras possíveis áreas de atuação. O bate papo foi interessante e a conversa correu solta, pois falar do mundo das cervejas me deixa empolgada.

 

Foto: @riomarcasa_news

No encontro havia muitas mulheres e alguns poucos homens ouvindo e questionando sobre a produção de cervejas artesanais, onde são encontradas no Recife, se era fácil fazer uma cerveja de qualidade em casa, quanto tempo levava para ter a cerveja pronta…Mais importantemente perguntaram como a mulher se encaixa nesse mercado, se são bem aceitas, se sofrem preconceito… As respostas para estas últimas perguntas ajudam a explicar o surgimento da confraria MBB, cuja missão é exatamente descontruir o preconceito de que “cerveja é bebida de homem”. Cerveja é também para mulheres pode ser produzida por mulheres e pode ser uma profissão para mulheres.

Comentei também sobre o Instituto CERES de Educação Cervejeira, pois se era para falar da atuação da mulher no mercado cervejeiro, este Instituto dirigido por três mulheres especialistas em cerveja, surgiu para provar mais uma vez o momento efervescente para a mulher no mercado de cervejas pernambucano.

Nossa, foram muitas perguntas e espero ter esclarecido toda! Gosto de pensar que dei o recado e espero ter plantando algumas novas sementes naquele encontro.

Para finalizar o bate-papo, abrimos algumas cervejas que fiz com Vitor (my husband) para o público degustar, uma English Golden Ale. Pude contar com ajuda de nossa superamiga Renata Garcia, também uma MBB e que deu aquela força, grata Renatinha. Nesse momento bem descontraído, surgiram outras perguntas  e claro falar de cerveja artesanal e a inserção da mulher no mercado e ter nesse encontro uma cerveja feita em casa para brindar; foi lindo!

Abraços Maltados de Amor!

Flávia Marques

*Agradecimentos ao Rafael (CT) e as meninas Arquitetas Rosi Garcia e Kathellen Carvalho.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: